Brasil deve chegar 2 milhões de infectados pelo novo coronavírus nesta quinta

Com 1.966.748 brasileiros infectados pela Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, o Brasil se aproxima de 2 milhões de casos confirmados e soma 75.366 mortes causadas pela doença, segundo dados do Ministério da Saúde, divulgado nesta quarta-feira (15). Nas últimas 24 horas, 39.924 diagnósticos foram confirmados e houve registro de 1.233 óbitos no país.

No mundo, 13,5 milhões de pessoas já foram diagnosticadas com a doença e mais de 589.922 mil morreram. Os Estados Unidos lideram o ranking de casos e óbitos por coronavírus, somando, respectivamente, 3,4 milhões e 137 mil, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, dos EUA. O Brasil é o segundo na lista.

A pandemia no Brasil está em diferentes estágios em várias regiões. Nesta quarta, o Norte e Nordeste apresentaram alta nos registros de mortes em relação à terça-feira (14). Foram 378 novos registros no Nordeste em 24 horas, 79 mortes a mais que o dia anterior. Já no Norte, 92 óbitos, um aumento de 21 vítimas em relação ao dia anterior.

No Sudeste, São Paulo continua sendo o epicentro da pandemia. O estado registra os maiores números de coronavírus, chegando nesta quarta (15) a 393.176 casos confirmados e 18.640 mortes acumuladas.

Os estados que apresentam situação estável são Amapá, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, São Paulo e Bahia. Já no Amazonas, Acre, Pará, Roraima e Rio de Janeiro a taxa está em queda.

O aumento de casos e óbitos no Brasil é puxado por Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Tocantins e no Distrito Federal.

Outros três estados brasileiros já ultrapassaram a marca dos 130 mil casos da nova doença respiratória. São eles: Ceará (141.248 casos e 7.030 mortos); Rio de Janeiro (134.449 casos e 11.757 mortos); e Pará (130.834 casos e 5.337 mortos). Na marca dos 100 mil, a Bahia registra 112.993 casos e 2.638 mortes e o estado do Maranhão 102.469 casos e 2.572 mortes.

Pandemia avança no Sul e Centro-Oeste

A pandemia ganha velocidade no Sul e Centro-Oeste. Entre os dias 5 e 11 de julho, a Região Sul teve um aumento no número de mortes por coronavírus contabilizadas na última semana. Foram mais 83 óbitos por Covid-19, um acréscimo de 36% em relação ao número verificado na semana anterior (61).

Houve crescimento também no número de novos casos: 3.918 na última semana, 8% a mais do que o registrado no período anterior (3.642). Ao todo, a Região Sul soma 2.870 óbitos e 137.399 infectados.

O Rio Grande do Sul tem o segundo maior crescimento de mortes diárias de todo o país, atrás apenas do Mato Grosso do Sul. Na média, 38,4 gaúchos morreram diariamente por coronavírus na última semana, trata-se de um aumento de 96,3% na comparação à média de duas semanas atrás, quando havia 19,6 vítimas diárias.

No Mato Grosso do Sul, o crescimento de novas mortes em duas semanas foi de 133%. Mas a média de vítimas diárias ainda é baixa – passou de três para sete.

O Rio Grande do Sul registrou nesta quarta (15) 1.321 novos casos e 41 óbitos, ocorridos nas últimas 24 horas. No total, 42.239 pessoas foram diagnosticadas com a doença e 1.101 pessoas perderam a vida.

A situação da pandemia em Santa Catarina se agravou nesses últimos dias. Em mais de 90% das cidades já há casos de coronavírus. Na semana passada eram três regiões gravíssimas, agora são sete. Das 16 regiões no estado, 14 estão em situação gravíssima com baixo isolamento social.

Santa Catarina registrou 137 mortes a mais de uma semana para outra, 1926 casos em único dia, chegando ao total de 47 976 diagnósticos da doença e 569 mortes.

Já Distrito Federal teve um aumento de 49% de mortes por coronavírus de uma semana para outra, e o Rio Grande do Sul, 42%. No mesmo período, Santa Catarina viu seu número de infectados subir 24%, e o Mato Grosso, 20%.

Centro-Oeste também apresentou aumento no número de novas mortes contabilizadas e casos de covid-19 entre 5 e 11 de julho. De acordo com o Ministério da Saúde, os óbitos registrados na região subiram de 84 para 107, enquanto os novos infectados foram de 4.109 para 4.363.

Esperança de uma vacina

Na corrida contra a pandemia, mais de 120 vacinas estão sendo estudadas pelos cientistas em todo o mundo, e várias delas estão em fases avançadas.

Nesta terça-feira (14) surgiu uma nova esperança para o desenvolvimento de uma vacina, após o anúncio da empresa americana de biotecnologia Moderna que afirmou que entrará na fase final de testes em humanos em duas semanas.

O Moderna é o primeiro laboratório a atingir a fase final dos testes em humanos com uma vacina anti Covid-19, que começará em 27 de julho nos Estados Unidos, com 30.000 participantes.

A Rússia planeja produzir 30 milhões de doses de uma vacina experimental contra Covid-19 domesticamente neste ano, potencial de fabricar outras 170 milhões de doses no exterior, segundo anunciou esta semana o chefe de saúde do governo Russo.

 

Fonte: CUT Nacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =

Whatsapp