Falta de política industrial gera desemprego e país desigual, diz CNM/CUT

A direção executiva da CNM/CUT esteve reunida na última terça-feira (7) e decidiram se posicionar em relação ao momento atual da Indústria. Com o título “A Falta de uma política industrial faz a indústria Brasileira ser menos dinâmica”, o documento oficial, escrito pela assessoria da entidade, faz um comparativo com números de crescimento da indústria e confirma que nos anos de governo Bolsonaro ele ignorou qualquer ideia sobre política industrial com intuito de combater o desemprego e a desigualdade, pelo contrário.

O acumulado em 12 meses mostra que o ritmo de crescimento da produção diminuiu. A comparação com um ano atrás também não é animadora, em abril verificou-se a nona queda consecutiva da produção industrial, de 0,5% frente a abril de 2021. Os dados são da Produção Industrial Mensal – produção física, do IBGE (PIM-PF).

“A retomada da indústria continua enfrentando dificuldades, seja pelo aumento dos custos de produção, escassez de matérias primas, além dos juros elevados, que dificultam o acesso ao crédito e inibem os investimentos. Como se não bastasse, a inflação em patamares elevados diminui a renda das famílias. O mercado de trabalho ainda não se recuperou e a massa de rendimentos não avança, como consequência a diminuição do consumo.”, diz trecho do documento assinado pela executiva da CNM/CUT. [mais informações sobre o documento abaixo]

O presidente da CNM/CUT, Loricardo de Oliveira, disse que o movimento sindical não tem só crítica, tem proposta. Ele destacou o programa “Indústria 10+: desenvolvimento produtivo, tecnológico e social”, que prevê melhorar a qualidade de vida da população em envelhecimento, a acessibilidade das pessoas com deficiência, garantir a sustentabilidade alimentar do Brasil, a preservação do meio ambiente, solucionar os problemas de transporte de massas nas grandes e médias cidades, os déficits na saúde e habitação, entre outros temas relevantes.

“A importância do Brasil ter uma política industrial, com o desenvolvimento do país passando pela produção nacional, é fortalecer as cadeias produtivas, criar empregos distribuindo renda. O programa da Indústria 10+ está sendo apresentado pelo macrossetor da indústria da CUT e pelo TID, com desafio de um desenvolvimento sustentável, com proposições para tecnologia, pesquisa, formação profissional, e investimentos na indústria nacional”, finalizou o presidente da CNM/CUT.

Dados do Dieese sobre produção industrial

A produção industrial total teve queda: -0,5% frente a abril/2021; -3,4% entre janeiro e abril de 2022 e -0,3% acumulado em 12 meses.

A produção industrial metalúrgica apresentou comportamentos distintos, a depender da atividade. Em abril, tiveram resultados positivos a Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (+5,7%), fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (+2,5%) e a produção de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (+2,5%).

Os resultados em abril, comparados com abril de 2021, somente Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos teve crescimento, de +4,3%.

No acumulado em 12 meses, apesar dos resultados positivos para algumas atividades metalúrgicas, o ritmo de crescimento da produção diminuiu. As maiores variações foram na produção de Outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores (+13,7%) e Máquinas e equipamentos (+1,2%).

 

Fonte: CNM/CUT

Foto: AGÊNCIA BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 1 =

Whatsapp