Paralização na Controil

O atraso foi por cerca de duas horas e meia. A empresa Controil é do ramo de auto peças e possui 500 trabalhadores, uma empresa que se diz líder no mercado de reposição de freios hidráulicos e informa no seu site que tem faturamento anual acima de 80 milhões, mas não valoriza seus trabalhadores (as), pois paga um salário pouco mais que o piso da nossa categoria.

E já vem a três anos dizendo que a empresa não consegue alcançar as metas de PPR, coisa que deixa seus trabalhadores revoltados, pois todos relatam que a produção está em alta, mas a empresa nem se quer pensa em dividir os lucros!
 
 
Nossa paralisação foi a devido à campanha salarial, pois pedimos 10% nos salários e 14% nos pisos, além do reajuste econômico, firmamos a importância de lutarmos também pelas clausulas sociais.

Deixamos a clausula a respeito do qüinqüênio que hoje é 3%, e queremos passar para triênio com o mesmo percentual, devido a alta rotatividade poucos trabalhadores se beneficiados pelo qüinqüênio pois a média de permanência da maioria dos trabalhadores é inferior a cinco anos nas empresas. Tivemos também a clausula do auxilio creche que pedimos que fosse ampliado para 36 meses após o retorno da licença maternidade e que o valor fosse 30% do piso maior de nossa categoria. Hoje as empresa que possuem 20 ou mais trabalhadoras tem o direito de receberem o auxilio até 18 meses depois do retorno da licença e o valor é de até R$ 137,00.

Na melhoria que a patronal nos ofereceu foi apenas diminuir o limitador de trabalhadoras que passasse a ser 15 ou mais trabalhadoras", mas nos mesmos moldes de hoje. A redução de jornada para 40 horas semanais sem redução de salários que é uma bandeira nacional, entre outras clausulas que deixamos na mesa para a patronal.Que nos negou praticamente todas., a não ser a pequena mudança proposta para o auxilio creche!

 
 
Tivemos o apoio dos sindicatos metalúrgicos de Novo Hamburgo, Sapiranga Canoas e Porto Alegre. Do Sindicato dos Sapateiros de Novo Hamburgo Sindicato dos bancários Representantes da Federação dos metalúrgicos RS CUT do Vale O Tesoureiro da CUT – RS.

Como não poderia ser diferente nossa categoria está mostrando que mesmo com o frio estamos com a campanha salarial aquecida, todos os trabalhadores (as), estão permanecendo do lado de fora dos portões. Opinando e apoiando a decisão de quando tempo ficar paralisados, pois afinal estamos em estado de greve, ainda não estamos em GREVE!"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 9 =