Trabalhadoras domésticas estão entre as mais afetadas pela pandemia

Desemprego, trabalho informal, renda menor e isolamento na casa dos empregadores
marcam o enfrentamento da pandemia pela categoria

Uma das profissões mais afetadas pela pandemia foi a das trabalhadoras domésticas. Muitas ficaram desempregadas, outras tantas vivem em condição de isolamento na casa dos empregadores e há a parcela que decidiu trabalhar informalmente, sem garantias e por um salário bem menor, para sobreviver. A realidade das trabalhadoras domésticas é de insegurança financeira e na saúde.

O primeiro caso de morte pelo coronavírus no Rio de Janeiro foi de uma trabalhadora doméstica que contraiu o vírus da patroa. Passado mais de um ano de pandemia, os reflexos da crise econômica e sanitária seguem intensos na vida dessas trabalhadoras.

Segundo dados de 2020 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), as trabalhadoras domésticas representam, hoje, cerca de 6 milhões de mulheres no Brasil. Desse total, apenas 28% das profissionais trabalhavam com carteira assinada, garantindo assim, direitos como décimo terceiro salário e férias.

O presidente do Instituto Doméstica Legal Mário Avelino aponta que a atual situação dessas trabalhadoras é ruim, com mais de um milhão sem emprego. “A minha avaliação é muito ruim, no ano passado perderam 1,5 milhão de postos, contando formais, informais e diaristas.”

A trabalhadora doméstica Gilda Cypriano conta que, para ela, a pandemia não foi um problema, pois continuou trabalhando. Gilda, que tem um canal no YouTube para valorizar a categoria, comenta que a situação de muitas colegas é preocupante.

As profissionais utilizam o transporte público como principal meio de locomoção até o trabalho e muitos empregadores preferem demitir do que garantir os direitos dessas trabalhadoras.

“Financeiramente eu não fui atingida, mas costumo dizer que se todas as patroas fossem iguais à minha a realidade da nossa profissão seria bem diferente. Assim como está, infelizmente, muitas pessoas conhecidas minhas perderam seus empregos, é um cenário bem complicado”, afirma.

Sem direitos

Sem auxílio emergencial e com mais dificuldades para arrumar trabalho com carteira assinada, muitas mulheres estão aceitando trabalhar informalmente e por um valor mais baixo para conseguir sobreviver, explica a presidenta do Sindicato das Empregadas e Trabalhadores Domésticos da Grande São Paulo (Sindoméstica) Janaína Mariano de Souza.

“Elas não têm direito algum. A pandemia veio de uma maneira que foi mais forte e muitas foram dispensadas. Só que estavam nessa situação, sem registro, sem direito algum, infelizmente. Ou elas aceitam essa situação, ou elas passam fome”, afirma.

Empregos formais

Para Mário Avelino, do Instituto Doméstica Legal, medidas como garantir que o governo pague parte do salário dos empregados é uma forma de assegurar os empregos formais.

“O que nós esperamos é que o governo, com medidas como a volta do benefício emergencial, pague parte do salário para quem suspende ou reduz jornada, para enfrentar as demissões no emprego formal. Outro dado também é o projeto de lei que está no Congresso para a volta da restituição do INSS no imposto de renda. Isso vai estimular a formalidade, como também diminuir demissões”, afirma.

Para ajudar as famílias dessas profissionais, o Sindicato das Empregadas e Trabalhadores Domésticos da Grande São Paulo tem arrecadado alimentos não perecíveis para doar às famílias mais necessitadas. Para contribuir com as doações, basta enviar uma mensagem para o Sindoméstica, na página do sindicado no Facebook.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + catorze =