Mais de 80 mil saem às ruas de Porto Alegre contra Bolsonaro e exigem impeachment já

Mais de 80 mil pessoas tomaram as ruas do centro de Porto Alegre, na tarde ensolarada deste sábado (2), em uma nova manifestação pelo impeachment já do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL). Houve também dezenas de protestos no interior gaúcho e em centenas de cidades do país e do exterior.

Os atos foram organizados pela CUT-RS, centrais sindicais, frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e Povo na Rua, movimentos sociais e populares e partidos de esquerda.

Ato em Porto Alegre4

Na capital gaúcha, o ponto de concentração para o início do ato foi, mais uma vez, o Largo Glênio Peres, ao lado da Prefeitura. Desde o começo da tarde, o espaço foi sendo tomado por manifestantes com faixas, bandeiras e cartazes, formando um colorido que expressava a diversidade dos participantes, que denunciavam as políticas nefastas de Bolsonaro na pandemia e para a economia do país. “Genocida” foi uma das palavras mais utilizadas para definir a conduta do atual presidente.

Fora Bozo e Primavera (2)

Povo brasileiro não aguenta mais

Antes da caminhada, foi realizado um ato com dois blocos de pronunciamentos. No primeiro, os destaques foram as falas dos partidos políticos. O deputado federal Paulo Pimenta (PT) elogiou o ato, dizendo que ele demonstra capacidade de unidade.

“O povo brasileiro não aguenta mais, ele quer voltar a ser feliz, ter esperança e dignidade. Esse governo genocida, que já matou 600 mil pessoas, fez o país voltar a conviver com a fome e a miséria, não pode continuar”, disse Pimenta. Para ele, “não existe outro caminho que não seja o das ruas, da luta e das mobilizações para derrotar esse governo”.

Reforma Adm1 (2)

A deputada federal Fernanda Melchionna (Psol) defendeu que não é possível esperar 2022 para barrar Bolsonaro. “Ninguém mais aguenta pagar mais de R$ 100 pelo gás de cozinha. Ninguém aguenta mais o desemprego e um governo que segue aproveitando a pandemia para passar a boiada, como está acontecendo agora com a PEC 32. Precisamos da mais ampla unidade de ação nas ruas para derrotar esse governo genocida”, disse.

A deputada estadual Juliana Brizola (PDT), destacou que “estamos unidos porque sabemos que a continuação de Bolsonaro significa a fome, a miséria e a morte de milhões de brasileiros”.

Educaçao protesta

Desmascarar o bolsonarismo

O presidente estadual do PCdoB, Juliano Roso, defendeu a necessidade de construção de uma frente ampla pela democracia para derrotar Bolsonaro. “Além de derrotar Bolsonaro, precisamos desmascarar o bolsonarismo, esse discurso de direita negacionista e fascista”.

Houve ainda falas da UP, PCB, PSTU, PSB, PV, Rede e PCO, bem como da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Arroz tá caro

Além da saída de Bolsonaro, foi destacado também a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), a vacinação para todos contra a covid-19 e o plebiscito popular sobre as privatizações no RS, cuja consulta será realizada em cédulas e de forma virtual no período de 16 a 24 de outubro.

E não faltaram demonstrações de apoio ao ex-presidente Lula, através de falas, bandeiras, faixas e cartazes.

Faixa do Lula

Não podemos tolerar esse genocida

No segundo bloco, as centrais sindicais se expressaram, reforçando a luta pelo impeachment. O presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci, frisou que “nós temos todas as razões para estarmos aqui nas ruas”.

Amarildo no caminhão

“O Bolsonaro brincou com a vida do povo brasileiro, não comprou vacina, comprou cloroquina e lidou com propina na compra do remédio. Desemprega, mata o povo de fome e a carestia aumenta o preço do custo de vida e dos alimentos”, destacou.

Para Amarildo, “não podemos tolerar que esse genocida queira agora vender o nosso país, os direitos e os serviços públicos com a PEC 32. Não podemos admitir que ele ataque diuturnamente a nossa Constituição e as instituições. E por essas razões já teríamos motivos suficientes para o Congresso Nacional cassar o presidente da República, mas ele só será impitimado se nos mantivermos nas ruas. Porque as ruas são um tambor, são a ressonância”.

Cair (2)

“Bolsonaro é a mensagem da morte e nós, povo trabalhador e brasileiros, somos mensageiros da esperança e da vida”, concluiu.

Também fizeram uso da palavra dirigentes da CTB, Intersindical, CSP-Conlutas, Pública e Fórum Sindical.

Assista à transmissão das falas das centrais

Na sequência, uma caminhada gigante tomou a Avenida Júlio de Castilhos, passou ao lado da Estação Rodoviária, seguiu pelo Túnel da Conceição e entrou na Rua Sarmento Leite em direção ao Largo Zumbi dos Palmares, onde ocorreu o encerramento.

Ato em Porto Alegre3

A caminhada foi animada, teve apresentação de artistas da cultura e transcorreu sem nenhum incidente, ganhando o apoio de pessoas que estavam nas calçadas e em janelas de prédios da região e de motoristas que buzinavam em seus veículos.

Dirigentes e militantes da CUT seguraram uma faixa de oito metros, que trazia a bandeira da CUT ao lado da bandeira do Brasil, representando o resgate dos símbolos do povo brasileiro que foram usurpados pelos movimentos da extrema-direita. Além das bandeiras, a faixa tem as chamadas “Fora Bolsonaro” e “Impeachment já”.

Bandeirão1

Os gritos de “Fora Bolsonaro e “genocida” ecoaram também com muita força nas demais manifestações, que deverão ser retomadas no próximo dia 15 de novembro.

Dirigentes da CUT (2)

Assista ao vídeo com imagens de um drone – @mobiledronebr 

O ato de Porto Alegre e de várias cidades do interior gaúcho foram destaques na cobertura em rede, que foi realizada outra vez pela CUT-RS em parceria com o Jornal O Coletivo, Brasil de Fato, Rede Soberania, RádioCom de Pelotas, Outras Vozes, Pão com Ovo e PT Sul, dentre outros veículos da mídia alternativa e independente.

Assista à cobertura em rede dos atos da tarde no RS

Assista à cobertura em rede dos atos da manhã no RS

Manifestações no interior gaúcho

Alegrete

Alegrete 2Out-2 (2)

Alvorada

Alvorada 2Out

Candiota

Candiota 2Out

Capão da Canoa

Capão da Canoa 2Out

Caxias do Sul

Caxias 2Out (2)

Cruz Alta

Cruz Alta 2Out

Encruzilhada do Sul

Encruzilhada 2Out

Gravataí

Gravataí 2Out-3 (2)

Ijuí

Ijuí 2Out (2)

Montengro

Montenegro 2Out (2)

Palmeira das Missões

Palmeira 2Out (2)

Pelotas

Pelotas 2Out-2 (2)

Santa Cruz do Sul

Santa Cruz 2Out (2)

Santa Maria

Ato em SM 2Out (2)

Santo Ângelo

Santo Angelo 2Out (2)

Santo Antônio da Patrulha

Santo Antônio 2Out (2)

São Borja

São Boja 2Out

São Leopoldo

São Leo 2Out-1 (2)

São Luiz Gonzaga

São Luiz 2Out (2)

Torres

Torres 2Out

Tupanciretã

Tupanciretã 2Out1

Xangri-lá

Xangrilá (4)

 

Fonte: CUT-RS com Sul21, Extra Classe e Brasil de Fato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × um =