11º Congresso da CNM/CUT encerra com aprovação do plano de lutas e resoluções

O 11º Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores da CUT (CNM/CUT) “Reconstruir o Brasil de forma sustentável e humanizada com trabalho decente, soberania, renda e direitos” encerrou nesta quinta-feira (11) com a aprovação de resoluções e do plano de lutas da entidade para o próximo período.

A atividade teve cerca de 300 participantes e aconteceu no Hotel Mônaco, em São Paulo, desde terça-feira (9). No total, o 11º Congresso reuniu 60 delegadas, 148 delegados, 41 observadores e observadoras de todo o Brasil e 41 participantes estrangeiros.

“Tem aquela frase que foi dita por diversas vezes aqui neste congresso que diz ‘a luta faz a lei’, e eu digo mais: os metalúrgicos e as metalúrgicas organizados e organizadas também fazem a lei. Somos capazes de produzir documentos e resoluções para desenvolver o setor. A discussão da industrialização passa pelas nossas estratégias. Um exemplo é o Programa Indústria 10+”, declarou”, disse o novo presidente da CNM/CUT, Loricardo Oliveira, acompanhado da direção eleita.

RAFAELA AMARAL (STIMMEC)Rafaela Amaral (STIMMEC)

As dezenas de resoluções e o plano de lutas aprovados foram debatidas nos quatro grupos de trabalhos que se reuniram na tarde de ontem (10) e nas conferências temáticas que começaram no dia 2.

Loricardo falou dos temas tratados nas conferência, como saúde do trabalhador, juventude, combate ao racismo, comunicação, igualdade salarial para as mulheres, organização sindical, entre outros. “O Congresso é o momento de compreender a necessidade de estarmos interligados e debater o futuro dessa indústria que, como falaram aqui, derrete.”

 

Desafios

De acordo com o presidente eleito, as práticas antissindicais que estão acontecendo no país estão custando muito caro para os sindicatos. “Temos dirigentes que não conseguem circular dentro das fábricas, que são isolados e até demitidos. Portanto, esse é um desafio muito grande que temos que enfrentar”, projetou.

O dirigente ressaltou a necessidade de entidades sindicais fortes e combativas. “Sindicato que não luta também tira direitos. E a CNM/CUT só será forte se os nossos sindicatos forem fortes. Muita luta, esperança e vitória para os metalúrgicos e metalúrgicas do Brasil”, encerrou Loricardo.

RAFAELA AMARAL (STIMMEC)Rafaela Amaral (STIMMEC)

 

O que rolou

Além dos debates sobre indústria, trabalho e direitos, o Congresso abordou outros assuntos importantes como a defesa das mulheres, o combate ao machismo e ao feminicídio, a luta em defesa dos negros e no combate ao racismo, assim como a defesa de gênero e o combate à homofobia e a defesa da juventude e também das pessoas com deficiência (PCDs).

Ao longo do Congresso, representantes de entidades representativas dos trabalhadores de inúmeros países se manifestaram, saudando o evento e destacando a necessidade da internacionalização da luta dos trabalhadores e do papel da CNM/CUT na defesa de direitos e da democracia. O 12º Congresso da CNM/CUT irá ocorrer em 2027.

Fonte: Renata Machado (STIMMMESL) com CNM/CUT

Foto: Rafalea Amaral (STIMMMEC)

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + dez =