Juros, rentismo e desenvolvimento

Basicamente alimentado pelo rentismo, ou seja, pela prevalência do setor financeiro sobre o setor produtivo e pelo ganho fácil através de aplicações financeiras.

O maior crescimento econômico com alguma distribuição de renda, observado na segunda metade dos anos 2000, encobriu, de alguma forma, a manutenção desta lógica rentista. Contudo, no contexto de crise internacional, evidenciou-se, mais uma vez, ser fundamental enfrentar o desafio de ampliar ainda mais o mercado consumidor interno brasileiro bem como os níveis de investimento para dar sustentação prolongada ao crescimento econômico.

Para enfrentar esta situação, o Copom vem reduzindo, sucessivamente, a taxa de juros, e com o intuito de forçar os bancos a diminuírem o spread (diferença entre a taxa de juros que o banco paga para captar recursos e a taxa que ele cobra nos empréstimos a pessoas físicas e empresas). Para facilitar a retomada dos investimentos, o governo brasileiro alterou as regras de rendimento da Caderneta de Poupança, partindo do princípio que assim é possível que os juros praticados no Brasil possam cair mais e ficar mais próximos dos internacionais. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − oito =