Metalúrgicos da CUT injetarão R$ 2 bilhões na economia com o pagamento do 13º salário de 2011

Esse valor representa 34% de todo o valor injetado pelos metalúrgicos de todo o Brasil e algo em torno de 0,05% do PIB (Produto Interno Bruto) estimado para 2011
A estimativa feita leva em conta dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Para efeito do cálculo, o DIEESE não considera os autônomos, assalariados sem carteira ou trabalhadores com outras formas de inserção no mercado de trabalho que, eventualmente, recebem algum tipo de abono de fim de ano, nem os valores envolvidos nesses abonos, uma vez que esses dados são de difícil mensuração. Também não é considerado, por este estudo, o adiantamento da primeira parcela do 13º salário ao longo do ano, uma vez que funcionários de muitas empresas recebem parcialmente o pagamento do 13º no momento em que tiram férias. Não são também contabilizados os casos de categorias que o recebem antecipadamente por definição, por exemplo, de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) ou Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

 

Análise dos resultados – CUT

Como já dito anteriormente, serão injetados na economia aproximadamente R$ 2 bilhões, com destaque para os seguintes sindicatos: STIM do ABC (R$ 418 milhões); STIM do Amazonas (R$ 178 milhões); STIM de BH e Contagem (R$ 165 milhões) e STIM de Sorocaba (R$ 132 milhões).
Os números do STIM São Leopoldo e Região:
Massa Salarial dezembro                                          R$ 35.515.537,63
Remuneração Média dezembro                               R$ 2.096,43
Remuneração Média Estimada INPC (1) ago/2011 R$ 2.236,89
Massa Estimada                                                        R$ 39.543.663,33
% do PIB                                                                    0,0010
 
Quando é feito o cálculo segundo as Federações de Metalúrgicos, observa-se que a FEM-CUT/SP é a que mais gera recursos em forma de 13º salário (R$ 838 milhões), na sequência aparecem: FEM-CUT/RS (R$ 267 milhões); FEM-CUT/MG (R$ 255 milhões); FEM-CUT/SC (R$ 181 milhões) e FEM-CUT/NORDESTE (R$ 98 milhões).
 
Metalúrgicos injetarão R$ 5,7 bilhões na economia com o pagamento do 13º salário de 2011

Já o pagamento do 13º salário de 2011 aos 2,3 milhões de metalúrgicos de todo o país (representados pelas diversas Centrais Sindicais) irá injetar aproximadamente R$ 5,7 bilhões na economia. Esse valor representa 37,8% de todo o valor injetado pela indústria e 0,15% do PIB estimado para o ano em questão.
 
Análise dos resultados – Brasil

As Unidades da Federação que mais contribuem para o total de R$ 5,7 bilhões são: São Paulo com R$ 3 bilhões (pouco mais de 50% do valor injetado na economia brasileira); Minas Gerais, com R$ 615 milhões; (10% do total); Rio Grande do Sul com R$ 510 milhões (9% do total) e Paraná com R$ 362 milhões (6% do total). Já na região Norte se destaca o Amazonas com R$ 178 milhões (3% do total); no Nordeste a Bahia com pouco mais de R$ 93 milhões (1% do total) e no Centro Oeste o Estado do Goiás com R$ 36 milhões (menos de 1%).
 
A região Sudeste responde por mais de 70% montante estimado a partir do pagamento do 13º salário no ramo metalúrgico, o que representa R$ 4,1 bilhões do total. Já os Estado do Sul do país também se destacam: as três unidades da federação somadas respondem por 20% do 13º pago aos metalúrgicos. Na sequência aparece o Nordeste (3,7%); Norte (3,6%) e Centro Oeste (1,2%).  

O papel dos trabalhadores no impacto do 13º no consumo e na geração de empregos e renda

Para exemplificar o que representa para a economia brasileira o valor injeto com o pagamento do 13º salário, tomemos alguns levantamentos recentes que podem auxiliar no entendimento da questão.
Segundo estimativas da Federação do Comércio do Estado de São Paulo – Fecomercio SP, o impacto do 13º salário na economia, considerando-se as vendas do comércio varejista na Região Metropolitana de São Paulo, devem chegar a R$ 11 bilhões em dezembro deste ano. O que representa aumento de 12% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 9,8 milhões). Descontando-se a inflação estimada para o período, o crescimento real previsto pode chegar entre 6,5% e 7% só no mês de dezembro.
Resultado este que impactará na geração de renda e emprego por todo o território nacional, em especial para as Regiões Metropolitanas (São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Grande ABC), onde há grande concentração de trabalhadores do setor metalúrgico, que ao consumirem na região onde residem dão sua importante contribuição para o fortalecimento do desenvolvimento econômico regional. O que comprova que não existe comércio ou serviços fortes sem a contribuição de uma indústria forte que valorize o trabalhador dando lhe condições de trabalho decente.
Conforme divulgado pela CNDL – Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, estão previstas a criação de 160 mil empregos temporários para o Natal deste ano, estimativa que reflete o otimismo do varejo para as vendas de fim de ano. O que corresponde a um crescimento de 10% nas contratações de temporários em relação a 2010, quando o comércio gerou 144 mil postos de trabalho, e de 28% sobre 2009, com 125 mil contratações.
Além do uso do 13º salário no consumo com as tradicionais compras de final de ano, de acordo com a pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade – ANEFAC, 60% dos consumidores informaram em que pretendem aproveitar o 13º para antecipar ou pagar dividas e assim iniciar o ano com um pouco mais tranqüilidade. Segundo esse levantamento, parte do 13º será reservada para o pagamento de impostos, tributos e gastos de início de ano como, por exemplo, despesas escolares.
 
 

Elaboração: Subseção DIEESE CNM/CUT – FEM-CUT/SP
André Cardoso – andre@dieese.org.br
Rafael Serrao – rafael@dieese.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + 7 =