Paralizações intensificadas no dia 17 de Agosto, em São leopoldo

Intensificam as paradas em busca de um acordo descente. Já estamos há mais de 15 dias em estado de greve e fazendo diversas paradas nas portas de fábrica, mas infelismente a patronal esta pagando pra ver, pois não apresenta nova proposta e nem se quer marca uma nova reunião.

 

Acha que o sindicato e os trabalhadores de nossa base não continuarão com as manifestações! Nossa assembléia do dia 29 de julho onde os trabalhadores lotaram nosso auditório dando a primeira resposta negando a proposta da patronal e tirando o estado de greve…foi o primeiro passo de nossa luta e como não poderia ser diferente todos os trabalhadores e trabalhadoras de nossa base estão dispostos a lutarem por um reajuste digno e pelas clausulas sociais, pois nosso sindicato completou em fevereiro 66 anos e temos um acordo coletivo com 56 clausulas a cada ano buscamos inserir novas clausulas que benificiem os trabalhadores em suas verdadeiras necessidades e que não são contempladas na CLT,

Esse é um dos principais motivos de nossas lutas pois além do reajuste economico temos que manter e ampliar nosssas clausulas sociais. No dia 17 de agosto foi a vez dos trabalhadores da STIHL atrasarem a pegada por mais de 3 horas, a Stihl faz parte da mesa patronal e tem grande peso na negociação. E seus trabalhadores(as) demosntraram sua indignação, pois no momento da crise no ano de 2009 a empresa não demorou a demitir os trabalhadores até mesmo aqueles que se consideravam "peixe" da direção, e hoje com a produção em alta estão cobrando horas extras a todo momento, finais de semanas e feriados livres para o lazer e descanso já são raros e na hora de reconhecer o valor da mão de obra desses companheiros a empresa diz NÃO! Relata o dirigente da fábrica Fabiano,

Gerson (frangão) lamenta não estar presente nesta batalha devido aos seus problemas de saúde que o afastaram do trabalho na empresa, mas deixa claro que assim que estiver reabilitado estará de volta a frente com seus companheiros. "Teve o disparate de : quando um setor da Stihl quebrou os recordes de produção ao invés de darem um prêmio para cada trabalhador em forma de dinheiro ou uma bonificação; chamaram todos do setor e agradeceram o empenho e entregaram uma placa p colocarem na parede do setor da fábrica, isso é uma vergonha!

Uma impresa multinacional que se diz uma das melhores do Brasil para se trabalhar!"

 
A tarde houve uma parada na empresa Delga de São leopoldo, empresa que tem filial em São Paulo. Esses mesmos trabalhadores a bem pouco tempo travaram uma batalha pela PLR e tiveram sua conquista, agora estão unindo forças a toda a categoria em busca de reajuste salarial.

Os trabalhadores também mostraram sua disposição de buscar um acordo justo! Diz o dirigente da fábrica Adilson E as paradas continuam! Vamos a luta em busca do acordo coletivo e de um reajuste digno!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezoito =