Mulheres e pessoas trans desocupam centro de saúde abandonado em Novo Hamburgo

Mulheres e pessoas trans desocuparam na tarde desta terça-feira (8), Dia Internacional das Mulheres, o prédio do antigo centro de pronto atendimento de saúde de Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre. A ocupação havia ocorrido na madrugada de segunda-feira (7).

Fechado há cerca de 5 anos, o prédio fica na Rua Joaquim Nabuco e está em estado deplorável de abandono pelo poder público municipal, enquanto a população sofre com as demandas de saúde e a falta de outros acessos básicos que só se agravaram com a pandemia.

Ao meio-dia, foi realizado um ato de apoio e solidariedade à ocupação, que chamou a atenção da sociedade e das autoridades para a deterioração do patrimônio da cidade, enfrentou e barrou a repressão da guarda municipal e denunciou a carência de políticas públicas para as mulheres e as pessoas trans pela administração da prefeita Fátima Daudt (PSDB). A manifestação contou com a participação do secretário de Organização e Política Sindical da CUT-RS, Claudir Nespolo.

“A ocupação tirou o 8 de Março da clandestinidade e marcou a cidade. E, ao mesmo tempo em que desmascarou o descaso com as políticas públicas, colocou a pauta da inclusão social e a necessidade de mudar esses governos, que estão aí em todos os níveis, fazendo gestões simplesmente para tirar o couro dos trabalhadores e das trabalhadoras”, disse Nespolo.

Ele “parabeniza a quem se mobilizou e seguramente o movimento ficará na história de que é possível, sim, de forma unitária, abrir caminhos para resolver a grave situação da classe trabalhadora”.

A desocupação aconteceu após o final do ato.

Leia a íntegra do comunicado das ocupantes

Comunicamos que a Okupação Maria da Vila Matilde (NH) tinha como objetivo, desde o início, três dias de ação para visibilizar as pautas que se materializaram em três reivindicações: serviço de acolhimento para mulheres e pessoas trans vítimas de violência, dentro da política de assistência social; serviço de saúde especializado em atendimento para mulheres; e ambulatório trans público. 

A ideia inicial era encerrar a ação no dia oito de março e, assim, concluímos hoje.

Essa ação encerra aqui e não autorizamos nenhuma pessoa pública ou individual a falar por nós a partir de agora.

Nos sentimos vitorioses com o alcance e adesão pelas pessoas apoiadoras, com a visibilidade da possibilidade de okupar, da possibilidade de ações radicais para reivindicações, contrapondo o descaso de incontáveis imóveis abandonados pelo poder público e privado. O Estado que incrimina ocupações e violenta ocupantes, é o mesmo estado que não move políticas públicas suficientes para a pobreza, fome, pessoas em situação de rua e outras diversas vulnerabilidades sociais.

Mesmo com a desocupação, nos manteremos insistentes e atentes para a execução prática das nossas demandas, ainda que isso exija futuras ações diretas.
Colocamos fé que a revolução comece pelas mãos da comunidade e que a chama siga acesa. E agradecemos imensamente todo o carinho, vigília, doações e divulgação da comunidade durante os três dias de ocupação.

#okupatudo 

 

Fonte: CUT-RS

Foto: REPRODUÇÃO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × cinco =