Marcha do Fórum Social Mundial Porto Alegre irradia esperança e democracia

Apesar do calorão de quase 40 graus, a marcha do Fórum Social Mundial (FSM) 2023 tomou as ruas do Centro Histórico de Porto Alegre, no final da tarde desta quarta-feira (25), sob o lema “Democracia, direitos dos povos e do planeta”, reunindo centenas de ativistas sociais do Rio Grande do Sul e do Brasil, irradiando esperança e democracia.

A concentração da caminhada, organizada pelas CUT-RS e centrais sindicais, ocorreu em frente à Prefeitura. Após várias apresentações culturais, os sindicais e movimentos sociais abriram as suas faixas e cartazes e subiram a Avenida Borges de Medeiros, dando visibilizada ao evento e e dialogando com a população.

FSM - faixa da CUT (2)
Foto: Carolina Lima / CUT-RS

O Fórum Social Mundial foi criado em 2001, em Porto Alegre, para se contrapor ao Fórum Econômico Mundial que ocorre anualmente em Davos na Suíça. A ideia é debater pautas sociais de inclusão, diversidade e sustentabilidade.

A marcha parou algumas vezes para gritar “sem anistia”, em referência aos crimes atribuídos ao ex-presidente Bolsonaro e aos vândalos e terroristas que fizeram o ataque golpista às sedes dos Três Poderes, em Brasília, no dia 8 de janeiro.

Água é vida, não é mercadoria

A defesa da água pública foi um dos destaques na marcha. Dirigentes do Sindiágua-RS, que estão na luta contra a privatização da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), abriram uma faixa pela revisão do marco legal do saneamento.

FSM - Saneamento (2)
Foto: Carolina Lima / CUT-RS

Representantes do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) também estenderam uma faixa contra a privatização do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) que está sendo planejada pelo prefeito bolsonarista Sebastião melo (MDB).

Democracia sempre e com direitos e respeito

O presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci, destacou que “é uma marcha muito, muito simbólica, juntando todos os povos, organizações sociais e partidos políticos que estão alinhados com o presidente Lula para dizer democracia sempre, mas uma democracia com direitos e com respeito às mulheres, os negros e os indígenas, com inclusão, combate à fome e a radical redução das desigualdades, que são a grande base das injustiças, da violência e das tentativas de golpes que estão ocorrendo em nosso país”.

Para o secretário adjunto de Comunicação da CUT Brasil, Admirson Medeiros Ferro Jr., o Greg, “a marcha foi e sempre será um reflexo da diversidade que o Fórum representa, pois reúne as entidades das mais diversas crenças, etnias e lutas no país. Foi um momento marcante, onde encontramos o pessoal da cultura fazendo festa em Porto Alegre e celebrando a esperança renovada pelo novo governo Lula”.

FSM - Adufrgs (2)
Foto: Carolina Lima / CUT-RS

Cultura e inclusão de toda a classe trabalhadora

O secretário de Organização e Política Sindical da CUT-RS, Claudir Nespolo, ressaltou que a marcha é tradicional, pacífica e cultural. “O fórum também é cultura”, explicou, dizendo que a caminhada não é apenas das entidades organizadores, mas também dos movimentos que se identificam com as pautas do evento, como a denúncia da concentração de renda, da exclusão social e dos desassistidos. “Os entregadores de comida, que usam bicicleta para trabalhar, estão aqui e clamando pelos seus direitos”, exemplificou.

Um grupo de entregadores de alimentos se uniu à caminhada. O presidente da Associação de Ciclo Entregadores do Rio Grande do Sul, Jean Clesar, enfatizou que a categoria pede o reajuste das taxas de entrega que estão defasadas diante da inflação. “Todo ano tudo aumenta, menos o ganho do entregador, que não é atualizado há dois anos”, denunciou.

FSM - entregadores
Foto: Carolina Lima / CUT-RS

Vitória de Lula é resultado da organização da sociedade

“O Fórum nasceu para ser um espaço de articulação e fortalecimento da sociedade civil e fomentar novas parcerias e gerar novos movimentos. Hoje vemos a vitória do Lula e derrota do Bolsonaro é resultado justamente da organização da sociedade civil”, destacou o empresário Oded Gragew, um dos fundadores do FSM.

“Conseguimos nos livrar do golpe e do fascismo por causa da sociedade civil. É vitória de cada um de nós que está aqui. A sociedade forte é fundamental para a democracia”, apontou Gragew.

FSM - Oded
Foto: Igor Sperotto

Entre os participantes da marcha estava também o ex-deputado federal constituinte, ex-prefeito, ex-governador e ex-ministro Olívio Dutra, que foi muito saudado durante todo o trajeto.

“O FSM é muito importante para dinamizar, espraiar e instigar o povo a se assumir como sujeito e não objeto da política e fazer da política a construção do bem comum com o protagonismo das pessoas”, avaliou Olívio, que era governador quando ocorreu a primeira edição do evento.

FSM - Olívio
Foto: Igor Sperotto

Diversidade e sustentabilidade

Na marcha não faltou uma pequena bateria de escola de samba, com ativistas, dirigentes sindicais, estudantes e trabalhadores de todas as cores e idades.

A líder indígena, Kantê Kaingang, destacou que marchar mostra a todo povo brasileiro que estamos juntos, com o apoio do nosso presidente Lula e da nossa ministra que é indígena.

image_processing20230126-11986-2ycns5

Foto: Jorge Leão

O militante da organização LGBTQIA+ Nuances, Célio Golim, disse que “a marcha é uma forma de ocupar o espaço da cidade, que é a representação da democracia, é o lugar público, é o lugar onde as pessoas se expressam, é onde tudo acontece ou praticamente tudo e é o lugar de troca. Caminhar na cidade no meio dos prédios, nas ruas, tendo contato com a população de forma geral, com os trabalhadores, as trabalhadoras, é uma forma de fazer política que sempre teve. Sempre fez parte da nossa história.  Principalmente da esquerda”.

A ativista da saúde mental feminista, negra, periférica e do hip hop, Solange Gonçalves Luciano, comentou que “marchar é importante porque não tem como a gente ficar parada. Até nessa situação tudo, Por exemplo, o país é movido na base de política, pra gente conseguir respirar melhor, ter o nosso Brasil de volta, a gente teve que marchar. Mas claro, com cautela, sem fazer baderna. E marchando a gente consegue avançar sim e mostrar as coisas boas e positivas que são possíveis realizar no nosso Brasil.

FSM - SUS (2)
Foto: Carolina Lima / CUT-RS

O serigrafista, Marcelo Roncato, que atua em movimentos contra a privatização dos parques públicos, a agroecologia e o camponês. “É lembrar para não esquecer. É dançar para não dançar. Então, marchar para a gente não marchar também.”

A marcha terminou no início da noite, em frente à Assembleia Legislativa, onde foi realizada uma atividade cultural. Os espaços do parlamento gaúcho, como o Teatro Dante Barone, também estão sendo utilizados para os principais debates do Fórum, que vai até sábado (28).

FSM - final
Foto: Igor Sperotto

 

Fonte: CUT-RS com Agência Brasil e Extra Classe

Foto de abertura: Carolina Lima (CUT-RS)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =