Preços da cesta básica em janeiro aumentam na maioria das capitais, principalmente no Nordeste

No primeiro mês do ano, os preços médios da cesta básica aumentaram em 11 das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese. As principais altas foram apuradas em cidades da região Nordeste.

Assim, houve aumentos em Recife (7,61%), João Pessoa (6,80%), Aracaju (6,57%) e Natal (6,47%). Já as reduções mais significativas foram na região Sul: Curitiba (-0,50%), Porto Alegre (-1,08%) e Florianópolis (-1,11%). Em São Paulo, a variação foi de -0,09%.

Salário mínimo

As cestas mais caras em janeiro foram as de São Paulo (R$ 790,57), Rio de Janeiro (R$ 770,19), Florianópolis (R$ 760,65) e Porto Alegre (R$ 757,33). No Nordeste, onde a composição da cesta é diferente, os menores valores médios foram registrados pelo Dieese em Aracaju (R$ 555,28), Salvador (R$ 594,83) e João Pessoa (R$ 600,06).

Na comparação janeiro do ano passado, houve altas em todas as cidades. A variação foi de 7,19% (Vitória) a 16,11% (Belém).

Com isso, com base na cesta mais cara, o Dieese calculou em R$ 6.641,58 o salário mínimo necessário para as despesas essenciais de uma família com quatro integrantes. Esse valor corresponde a 5,10 vezes o piso oficial, reajustado para R$ 1.302. Essa proporção era de 5,48 vezes em dezembro e de 4,95 há um ano.

Jornada e renda

No mês passado, o tempo médio para adquirir os produtos da cesta básica foi de 116 horas e 22 minutos. Menos do que em dezembro (122 horas e 32 minutos) e mais do que em janeiro de 2022 (112 horas e 20 minutos). Quem ganha o equivalente ao mínimo comprometeu 57,18% da renda líquida para adquirir os produtos alimentícios, ante 60,22% no mês anterior e 55,20% um ano atrás.

Entre os produtos, o arroz agulhinha subiu em todas as cidades. Em 12 meses, a alta chega a 30,18% (Vitória). O preço do feijão também aumentou. No acumulado, atinge 51,95% em Belém e 51,04% em Goiânia.

Batata, tomate e farinha de mandioca foram outros destaques de alta. Já o preço do leite integral caiu na maioria dos locais, assim como o quilo da carne bovina de primeira.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Foto: Reprodução/Montagem RBA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × três =