Excluídos do trabalho: quase 15 milhões de desempregados e 6 milhões de desalentados

Total de desempregados no Brasil chegou a 14,805 milhões, o maior número
desde a criação da série histórica, no começo dos anos 2000.

 

O mercado de trabalho continua batendo sucessivos recordes negativos. A taxa de desemprego foi a 14,7% no trimestre encerrado em março. É o maior índice da série histórica. E o total de desempregados chegou a 14,805 milhões, também no maior número da série. São 880 mil desempregados a mais em três meses (crescimento de 6,3%) e 1,956 milhão (15,2%) em relação a igual período de 2020. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta quinta-feira (27) pelo IBGE.

Os ocupados somam 85,650 milhão. O total variou -0,6% no trimestre, com menos 529 mil, e caiu 7,1% em 12 meses. Isso equivale à saída de 6,573 milhões de pessoas do mercado de trabalho. Os subutilizados agora são 33,202 milhões, aumento de 3,7% (mais 1,2 milhão) no trimestre e de 20,2% (mais 5,6 milhões ) em relação ao ano passado. Outro recorde batido é o de desalentados. Eles agora somam 5,970 milhões, alta de 25,1% na comparação com igual período de 2020.

Fonte: Rede Brasil Atual

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 2 =