Governo Lula sinaliza com retomada do Polo Naval de Rio Grande

A Petrobras vai voltar a investir nos estaleiros de Rio Grande e de São José do Norte, no Sul do estado do Rio Grande do Sul. A informação é do deputado federal Alexandre Lindenmeyer (PT/RS) que acompanhou nesta segunda-feira (29) a passagem do presidente da companhia, Jean Paul Prates, pela cidade gaúcha.

Implantado durante o governo Lula, o Polo Naval de Rio Grande foi a grande esperança de reativação econômica da Metade Sul, a parte mais empobrecida do território gaúcho, mas acabou esquecido nos mandatos Temer e Bolsonaro.

“Efeito multiplicador”

“Para uma região que já teve 24 mil postos de trabalho diretos (no polo) termos essa manifestação do presidente da Petrobras endossada pelo presidente da Transpetro (Sérgio Bassi), que disse que estará construindo no Brasil 25 navios, isso é recebido com muita comemoração pelas nossas comunidades”, disse Lindenmeyer.

“É do interesse de todo o estado uma vez que esses equipamentos não geram empregos somente onde os estaleiros estão instalados”, enfatizou. “Tem efeito multiplicador em toda a cadeia de fornecedores de bens envolvendo a metal-mecânica e a parte de suprimentos para plataformas, barcos de apoio e assim por diante”, agregou.

“Refinaria servirá de modelo para o futuro”

Ainda em Rio Grande, nesta segunda-feira (29), o presidente da Petrobras informou que a Refinaria de Petróleo Riograndense (RPR), ex-Ipiranga, com sede na cidade, será a primeira a testar a aplicação da tecnologia para biorrefino. Ou seja, será a primeira planta no Brasil a processar matéria-prima 100% renovável. O investimento da Petrobras será de R$ 45 milhões. De acordo com a estatal, a tecnologia “representa uma nova fronteira para o biorrefino no país”.

O acordo de cooperação foi firmado com a presença de executivos da própria RPR e das empresas que têm participação acionária na refinaria (Petrobras, Braskem e Ultra). O primeiro teste industrial está previsto para novembro próximo.

A história do refino de petróleo no Brasil começou justamente em Rio Grande quando, em 1937, a RPR iniciou suas operações. “A refinaria servirá de modelo para a futuro em termos de transição energética”, comentou o deputado.

Prates também inaugurou sistema de tratamento de gases na Refap

Na sexta-feira (26), em Porto Alegre, acompanhado do presidente da Transpetro, Sérgio Bacci, e do diretor executivo de Processos Industriais e Produtos da Petrobras, William França da Silva, Prates também anunciou que a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), de Canoas, receberá novos investimentos da Petrobras para produção de diesel com menos enxofre e de diesel com conteúdo renovável.

Trata-se do sistema de tratamento para os gases de combustão da unidade de craqueamento catalítico da refinaria, que representa significativos ganhos ambientais. É feito por equipamento chamado precipitador eletrostático, que captura material particulado presente no gás pela aplicação de um forte campo elétrico. Posteriormente, o material captado é coletado e transportado.

Segundo a Petrobras, o precipitador eletrostático exigiu investimentos de R$ 88 milhões. Com esse processo, a concentração de particulados no gás emitido reduzirá significativamente. “Isso aprimora mais ainda a nossa capacidade de manter os parâmetros de emissão atmosférica da companhia. A conclusão da obra se dará no início de junho e os procedimentos operacionais de partida ocorrem até o fim do mês”, explica Gerson Cesar Souza, gerente geral da Refap.

Jean Paul destacou que a visita à Refap faz parte de uma agenda que ele adotou desde que assumiu a presidência da Petrobras, em janeiro. “Minha intenção é visitar todas as unidades da companhia no mais breve tempo. Nossa gestão valoriza muito a proximidade com nossa força de trabalho. Estou muito satisfeito em poder estar aqui na Refap junto aos nossos petroleiros do Rio Grande do Sul”, afirmou.

A Refap irá complementar 55 anos em setembro. A refinaria foi submetida, recentemente, à maior operação de manutenção da história da Petrobras, o que exigiu investimento total de R$ 450 milhões.

 

Fonte: Brasil de Fato RS

Foto: Paulo Correa (Brasil de Fato)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =